Etapas SMP

Erasmus para estágio

Erasmus para estágio

Apresentação

 


smt

O Erasmus+ apoia a realização de estágios no estrangeiro por estudantes atualmente matriculados em instituições de ensino superior nos níveis de licenciatura, mestrado ou doutoramento nos países do programa. Os recém‑diplomados também podem beneficiar destas oportunidades.

Graças ao Erasmus+, poderá realizar um estágio no estrangeiro, o que lhe permitirá não só melhorar as suas competências linguísticas, interculturais e em matéria de comunicação, mas também adquirir competências transversais altamente valorizadas pelos empregadores e reforçar o seu espírito empreendedor. Mais informações sobre as vantagens de um intercâmbio no estrangeiro.

Também pode combinar um estágio Erasmus+ com um período de estudo no estrangeiro.

apoio linguístico em linha do Erasmus+ ajudá-lo-á a aprender a língua utilizada no local de trabalho.

Duração

O estágio no estrangeiro pode ter uma duração mínima de 2 meses e máxima de 12 meses.

Pode beneficiar de vários intercâmbios no estrangeiro ao abrigo do Erasmus+, quer como estudante quer como estagiário, mas o tempo total passado no estrangeiro (incluindo os períodos de estudo no estrangeiro) não pode exceder 12 meses num ciclo de estudos.

«Ciclo» refere-se ao nível de estudos conforme definido pelo Quadro Europeu de Qualificações (QEQ):

  1. Primeiro ciclo (licenciatura ou equivalente) QEQ 5/6
  2. Segundo ciclo (mestrado ou equivalente) QEQ 7
  3. Terceiro ciclo (doutoramento ou equivalente) QEQ 8

Para cursos de um ciclo, como medicina ou arquitetura, a estadia no estrangeiro pode ter uma duração máxima de 24 meses.

Os recém-diplomados também podem realizar um estágio no estrangeiro. Neste caso, o estágio deve ser realizado no ano seguinte ao da conclusão dos estudos e a candidatura deve ser apresentada enquanto o estudante ainda está matriculado numa instituição de ensino superior.

Reconhecimento

Antes do estágio no estrangeiro:

  1. O estagiário, a instituição de envio e a instituição de acolhimento devem assinar um acordo de aprendizagem para fins de estágio, tendo em vista garantir uma preparação transparente e eficaz do intercâmbio no estrangeiro. Este documento define os direitos e as responsabilidades das várias partes, bem como o programa pormenorizado do estágio. Dá igualmente informações sobre seguros e estabelece a forma como o estágio será reconhecido após a sua conclusão com êxito.
  2. O estagiário recebe uma Carta de Estudante Erasmus+ que lhe explica os seus direitos e obrigações relativamente ao período de estágio no estrangeiro.

Após o estágio no estrangeiro:

  1. A organização de acolhimento/empresa deve enviar ao estagiário e à sua instituição de ensino superior um certificado de estágio, normalmente no prazo de cinco semanas após a conclusão do estágio.
  2. A instituição de ensino superior do estagiário terá de reconhecer o período de estágio no estrangeiro, em conformidade com os compromissos assumidos no acordo de aprendizagem e sem quaisquer requisitos adicionais.
  3. Se a instituição de ensino superior de envio estiver estabelecida num país do programa, as informações que figuram no certificado de estágio devem igualmente ser registadas no suplemento ao diploma, exceto se o estagiário for um recém-diplomado. Neste caso, aconselha-se a registar o estágio no certificado de mobilidade Europass do estagiário.

Apoio financeiro

O estagiário pode receber uma bolsa Erasmus+ enquanto contribuição para as despesas de viagem e de estadia, para além de um apoio adicional específico para a realização de estágios. A bolsa pode variar em função das diferenças de custo de vida entre o país de origem e o país de destino, do número dos candidatos a uma bolsa, da distância entre os países em questão e da eventual existência de outras bolsas.

Se tanto o país de origem como o país de destino do estagiário forem países do programa, este deve contactar a agência nacional e a instituição de ensino superior de envio para se informar sobre as taxas aplicáveis. Os estagiários de grupos desfavorecidos e os estagiários de regiões ou países do programa ultraperiféricos podem beneficiar de um apoio adicional.

Os níveis do apoio concedido e as taxas fixas para intercâmbios entre países do programa e países do parceiros são publicados no Guia do Programa Erasmus+.

Independentemente de receber uma bolsa ou de ter uma bolsa zero do Erasmus+, o estagiário terá de assinar um acordo de subvenção, que especifica a duração do período de mobilidade, o montante da bolsa e outros direitos e obrigações.  

Se tanto o país de origem como o país de destino do estagiário forem países do programa, cabe à instituição de envio assinar o acordo de subvenção e efetuar todos os pagamentos necessários.

Se um dos países for um país do programa e o outro um país parceiro, cabe à instituição do país do programa assinar o acordo de subvenção. As duas instituições decidirão em seguida qual delas será responsável por efetuar os pagamentos.

Os estagiários podem receber outras bolsas da instituição de envio, do Estado ou de outras fontes. Consulte o Guia europeu do financiamento.

Candidaturas

Os interessados podem apresentar a sua candidatura através do serviço responsável pelas relações internacionais ou pelo Erasmus+ da respetiva instituição de ensino superior.

A instituição de ensino superior de envio deve selecionar os candidatos de forma justa e transparente.

Mais informações

Certifique-se de que conhece os seus direitos quando estuda ou faz um estágio no estrangeiro.

portal de estágios do Erasmus, desenvolvido pela Rede de Estudantes Erasmus, pode ajudá-lo a encontrar um estágio Erasmus+.

Se desejar mais esclarecimentos sobre o Erasmus+, consulte as perguntas frequentes antes de contactar a sua instituição ou as agências nacionais dos países do programa.

Associação de Estudantes e Antigos Alunos Erasmus+ (ESAA) proporciona aos atuais e antigos estudantes Erasmus+ um espaço dinâmico propício ao estabelecimento de contactos, ao desenvolvimento profissional e aos intercâmbios de caráter cultural.

VídeoErasmus+: um impulso em início de carreira com Cláudia Vale da Silva, gestora de conteúdos digitais na Velux, Dinamarca, e antiga estagiária Erasmus+ de Portugal, que realizou um estágio na Dinamarca para adquirir experiência de trabalho e desenvolver as competências necessárias para dar um impulso à sua carreira

 


É possível a realização dos estágios curriculares no estrangeiro, ao abrigo do Programa Erasmus

Requisitos

Um estágio curricular realizado ao abrigo do Programa Erasmus deverá obedecer aos requisitos estipulados no PUC, no que se refere ao trabalho exigido, à monitorização e avaliação, bem como à sua duração. Qualquer afastamento dos requisitos definidos no PUC requer a aprovação do regente da UC, que assume a figura de “Pessoa Responsável” pela atividade de mobilidade.

Onde

Os estágios curriculares devem ser realizados em universidades parceiras ou em entidades protocoladas com estas e que recebem normalmente estudantes locais. Por exemplo, se um estudante pretende realizar um estágio em farmácia comunitária, deve informar-se junto da universidade de destino quais as farmácias incluídas na oferta formativa daquela instituição. De igual modo, para realizar um estágio curricular em enfermagem ao abrigo do Programa Erasmus, normalmente realizado em hospitais, o estudante deve contactar a universidade parceira e não o hospital. Nestes casos, é muito importante esclarecer a área do estágio pretendida, uma vez que, como se referiu, terá de obedecer ao PUC.

Nos casos em que, curricularmente, estão previstos vários estágios, é possível a realização de apenas um, alguns ou de todos em Erasmus. Por outras palavras, tratando-se de uma UC que inclui vários estágios, um estudante pode optar por realizar apenas um dos módulos (desde que completo) em Erasmus, realizando os restantes em Portugal. Adicionalmente, se estiverem previstos mais do que um estágio numa UC, o estudante pode optar por realizar um dos estágios numa universidade e outro noutra, não necessariamente do mesmo país.

Quando

Os estágios curriculares devem ser realizados durante o semestre previsto no plano de estudos e deve concluir de forma a poder ser lançada a sua nota até à época de recurso definida para a UC.

Reconhecimento académico

O reconhecimento académico dos estágios curriculares realizados ao abrigo do Programa Erasmus segue o estipulado no respetivo PUC (nomeadamente no que diz respeito à necessidade de elaboração de um relatório, à defesa pública, etc.), sendo a sua classificação obtida após a conclusão da UC e lançada pelo regente. Adicionalmente, estes estágios são reconhecidos no Suplemento ao Diploma, sendo atribuídos 5 ECTS por cada mês completo de estágio.

Financiamento

Embora estejam inseridos numa UC, os estágios curriculares realizados ao abrigo do Programa Erasmus, quando financiados, são considerados mobilidades para estágio.

 


É possível a realização dos estágios extracurriculares no estrangeiro, ao abrigo do Programa Erasmus

Requisitos

O estágio extracurricular deve ser na área de formação académica.

Onde

A organização de acolhimento pode ser:

  • qualquer organização, pública ou privada, ativa no mercado de trabalho ou nos domínios da educação, da formação e da juventude. Uma organização dessa natureza pode ser, por exemplo:
    • uma empresa pública ou privada, pequena, média ou grande (incluindo empresas sociais);
    • um organismo público local, regional ou nacional;
    • um parceiro social ou outro representante da vida profissional, incluindo câmaras de comércio, associações de artesãos/profissionais e organizações sindicais;
    • um instituto de investigação;
    • uma fundação;
  • uma organização sem fins lucrativos, associação, ONG;
  • um órgão que preste serviços de orientação profissional, de aconselhamento profissional e de informação;
  • uma Universidade Parceira com Carta Erasmus

Quando

Os estágios extracurriculares podem ser realizados a partir do último ano do 1º ciclo de estudos (licenciatura) e até um ano após a conclusão da graduação

Reconhecimento académico

Os estágios extracurriculares são reconhecidos no Suplemento ao Diploma, sendo atribuídos 5 ECTS por cada mês completo de estágio.

Financiamento

Os estágios extracurriculares realizados ao abrigo do Programa Erasmus, quando financiados, são considerados mobilidades para estágio

 


Um período de estudo no estrangeiro pode incluir também um período de estágio

Nestes casos, aplica-se o estipulado para a mobilidade para estudos durante o período em que o estudante estiver a frequentar UC na Instituição de acolhimento (incluindo o tipo de bolsa SMS) e o estipulado para mobilidade para estágio durante o período de estágio (incluindo o tipo de bolsa SMP).

É possível a realização de uma mobilidade mista em mais do que uma universidade e em mais do que um país, podendo o estudante realizar os estudos numa Instituição de acolhimento e o estágio noutra, não necessariamente no mesmo país.

Etapas da Mobilidade para Estágio

Antes da mobilidade
  • Definir a instituição/empresa de destino/acolhimento.
    As mobilidade para estágio não exigem a pré-existência de uma parceria, podendo ser celebrado apenas um contrato IUEM/ESSEM-Instituição/empresa-estudante para o período de mobilidade. Deste modo, aconselha-se o candidato a definir a instituição/empresa de destino em função da sua área de interesse e expectativas profissionais e contactá-los directamente;
    Caso pretenda optar por um estágio numa das instituições parceiras, deve atender que estes são realizados em laboratórios universitários de investigação científica ou em clínica universitária, em contexto académico (e.g. estágios de MIMD são realizados nas aulas de clínica integrada).
  • Definir a duração da mobilidade.
    As mobilidade para estágio têm a duração mínima de 2 meses e máxima de 1 ano.
  • Confirmar o apoio da família.
Candidatura
  • Preencher o formulário de candidatura e submetê-lo.
    Formulário disponível em "Candidatura Erasmus"
Resultados
Inscrição na Instituição de acolhimento
      • Estágios em instituições/empresas sem acordo bilateral Erasmus com a Egas Moniz (que não constam da lista de parcerias):
        » Envio do training agreement (modelo da Egas Moniz) para o orientador de estágio solicitando o seu preenchimento com a informação sobre o estágio;
        » Se não enviou o seu CV, deve fazê-lo nesta fase;
      • Estágios em instituições/empresas com acordo bilateral Erasmus com a Egas Moniz (que constam da lista de parcerias):
        » Consulte a webpage da instituição de acolhimento e informe-se quanto ao procedimento a seguir e os prazos para o fazer. Geralmente os documentos a enviar são: (1) student application form (formulário cedido pela instituição de acolhimento, muitas vezes em formato on-line; (2) training agreement (modelo do ISCSEM) preenchido pelo candidato se o estágio for em contexto de aulas práticas, ou previamente preenchido pelo orientador, se estágio em laboratório científico; (3) cópia do BI/passaporte; (4) cópia de foto tipo passe; (5) certificado de aptidão linguística.
Formalização da mobilidade na Egas Moniz
      • Celebração do contrato Egas Moniz.
        Minuta do contrato disponível em "Documentos"
Preparação da mobilidade
      • Alojamento.
        O alojamento é da responsabilidade do estudante.
      • Visto/autorização de residência.
        Informe-se junto da embaixada/consulado do país de destino em Portugal sobre os procedimentos a seguir para formalizar a sua estadia (normalmente necessário para estadias superiores a 3 meses).
      • Seguros.
        As mobilidades para estágios em instituições não universitárias exigem que o estudante apresente um comprovativo de seguro de acidentes de trabalho e de responsabilidade civil. Algumas instituições/empresas organizam a cobertura por seguro dos seus estagiários, pelo que deve informar-se junto da mesma. Caso não esteja contemplado qualquer seguro, é da responssabilidade do candidato a organização de um seguro adequado para acidentes no local de estágio.
        As mobilidades para estágios em instituições universitárias permitem, em princípio, a cobertura dos estagiários num seguro escolar, uma vez que existe uma inscrição do mesmo como estudante. Deve, no entanto, confirmar que assim é.
        Independentemente da existência de um seguro que cubra acidentes de trabalho, qualquer estudante em mobilidade deve estar acompanhado do cartão europeu de seguro de doença (CESD).
Após a mobilidade
    • O estagiário deve apresentar, no gabinete de relações internacionais, os seguintes documentos:
      » Certificado de estadia (ou certificado de chegada e de partida, mobility stage) - documento original, devidamente assinado e carimbado
      » Plano de estágio (training agreement) - documento original, devidamente assinado e carimbado por todos os intervenientes (ISCSEM/instituição de acolhimento/estudante)
      » Grelha de monitorização e de avaliação, preenchida pelo orientador do estágio (pessoa sénior)
      » Prova da submissão online do relatório final Erasmus - o acesso ao relatório será enviado por email no final da mobilidade, sendo um processo automático gerido pela AN (via plataforma Mobility Tool). Atenção que o email de acesso é muitas vezes assumido como spam.

01Download
Descarregue o formulário de candidatura para o seu computador:

02Preenchimento
Preencha o formulário completando-o nos espaços editáveis. O não preenchimento de todos os campos poderá determinar a não aceitação da candidatura. Se tiver dificuldades no preenchimento, poderá ser por estar a usar um Mac. Por favor tente o preenchimento num PC.

03E-mail
Envie o formulário preenchido para:

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

  • Cada candidato deve enviar o próprio formulário da conta de email que pretende utilizar para contactos no âmbito do Erasmus
  • No assunto do email deve colocar: Candidatura 17_18 [primeiro e último nome do candidato] [iniciais do curso][ano do curso da Egas a que se candidata] SMT
Ex. Estudante Maria Silva, actualmente a frequentar o 4º ano de ciências farmacêuticas e pretende candidatar-se no ano seguinte a um estágio erasmus, assumindo que passa para o 5º ano:
ASSUNTO: candidatura 17_18 Maria Silva MICF5 SMT

04Deadlines
Os formulários de candidatura devem ser enviados (data da recepção do email) até:

  • 1ª fase: 15 de Janeiro 
  • 2ª Fase: de 16 de Janeiro a 15 de Abril
  • 3ª Fase: 31 de Outubro (para mobilidades no 2º semestre)

  

Ao apresentar a candidatura Erasmus, está automaticamente a candidatar-se a uma bolsa de estudos financiada pelo Programa Comunitário Erasmus+

 

Log in

fb iconLog in with Facebook